28 de outubro de 2008

Literatura: O primeiro amor

Aqui fica um bonito texto de Miguel Esteves Cardoso,

enviado pela Carla, do 11.ºD

É fácil saber se um amor é o primeiro amor ou não. Se admite que possa ser o primeiro amor, é porque não é, o primeiro amor só pode parecer o último amor. É o único amor, o máximo amor, o irrepetível e incrível e antes-morrer-que-ter-outro amor. Não há outro amor. O primeiro amor ocupa o amor todo.
Nunca se percebe bem por que razão começa. Mas começa. E acaba sempre mal só porque acaba. Todos os dias parece estar mesmo a começar porque as coisas vão bem, e o coração anda alto. E todos os dias parece que vai acabar porque as coisas vão mal e o coração anda em baixo.
O primeiro amor dá demasiadas alegrias, mais do que a alma foi concebida para suportar. É por isso que a alegria dói – porque parece que vai acabar de repente. E o primeiro amor dói sempre mais, sempre muito mais do que aguenta e encaixa o peito humano, porque a todo o momento se sente que acabou de acabar de repente. O primeiro amor não deixa de parte um único bocadinho de nós. Nenhuma inteligência ou atenção se consegue guardar para observá-lo. Fica tudo ocupado. O primeiro amor ocupa tudo. É inobservável. É difícil sequer reflectir sobre ele. O primeiro amor leva tudo e não deixa nada.
Diz-se que não há amor como o primeiro e é verdade. Há amores maiores, amores melhores, amores mais bem pensados e apaixonadamente vividos. Há amores mais duradouros. Quase todos. Mas não há amor como o primeiro. É o único que estraga o coração e que o deixa estragado.
É como a criança que põe dedos dentro de uma tomada eléctrica. É esse o choque, a surpresa “Meu Deus! Como pode ser!” do primeiro amor. Os outros amores poderão ser mais úteis, até mais bonitos, mas são como ligar electrodomésticos à corrente. Este amor mói-nos o juízo como a Moulinex mói café. Aquele amor deixa-nos cozidos por dentro e com suores frios por fora, tal e qual um micro-ondas. Mas o “Zing!” inicial, o tremor perigoso que se nos enfia por baixo das unhas e dá quatro mil voltas ao corpo, naquele micro-segundo de electricidade que nos calhou, só acontece no primeiro amor.
O primeiro amor é aquele que não se limita a esgotar a disposição sentimental para os amores seguintes: quer esgotá-la. Depois dele, ou depois dela, os olhos e os braços e os lábios deixam de ter qualquer utilidade ou interesse.
Não há amor como o primeiro. O primeiro amor é uma chapada, um sacudir das raízes adormecidas dos cabelos, uma voragem que nos come as entranhas e não nos explica. Electrifica-nos a capacidade de poder amar. Ardem-nos as órbitas dos olhos, do impensável calor de podermos ser amados. Atiramo-nos ao nosso primeiro amor sem pensar onde vamos cair ou de onde saltámos. Saltamos e caímos.
O primeiro amor está para além das categorias normais da dor e do prazer. Não faz sentido sequer. Não tem nada a ver com a vida. Pertence a um mundo que só tem duas cores – o preto-preto feito de todos os tons pretos do planeta e o branco-branco feito de todas as cores do arco-íris, todas a correr umas para as outras.
Não há regra para gerir o primeiro amor. Se fosse possível ser gerido, ser previsto, ser agendado, ser cuidado, não seria o primeiro. A única regra é: Não pensar, não resistir, não duvidar. Como acontece em todas as tragédias, o primeiro amor sofre-se principalmente por não continuar.
Mas é por ser insustentável e irrepetível que o primeiro amor não se esquece. Parece impossível porque foi. Não deu nada do que se quis. Não levou a parte nenhuma. O primeiro amor deveria ser o primeiro a esquecer-se, mas toda a gente sabe, durante o primeiro amor ou depois, que é sempre o último.


postado por ana lima

3 comentários:

Sílvia Cardadeiro disse...

Adorei o texto.

p.s.: Nao banalizem a palavra 'amo-te' ;)

Beijinhos

Vanessa disse...

Cucu, hoje venho comentar este texto bem escolhido da minha colega de turma Carla.

Texto muito bem escrito (devo confessar que não estou muito a par de Miguel Esteves Cardoso) mas contudo gostei do que li aqui.

Agora eu cá vai aproveito para repetir duas passagens do texto: ''admite que possa ser o primeiro amor, é porque não é, o primeiro amor só pode parecer o último amor.'' e ''(...) mas toda a gente sabe, durante o primeiro amor ou depois, que é sempre o último.'' isto para dizer que, o primeiro amor é aquele que, não trás necessidade alguma de procurar outro. O primeiro amor será sempre aquele que nos enche o coração de amor e os olhos de lágrimas até ao fim dos nossos dias, o primeiro não o de muitos mas, o primeiro, o ultimo, o que não se esquece, o que nos electrifica só de lembrar, esse sim o primeiro amor. O que nos faz coemter loucuras, o que nos obriga a uma entrega extrema e eterna, esse, o primeiro, esse e mais nenhum.

E o último que seja o primeiro, se for esse último a destruir-nos o coração e a alma de desejo e paixão. Que seja o primeiro então, o último mas que esse último nos faça querer e amar, nos faça dar tudo, nos faça ganhar e perder, nos faça rir e chorar, esse e só esse amor será o primeiro e será também o último. O amor de todos os amores, aquele que, mistura todos os sentimentos do mundo num orgão tão pequeno que é o nosso coração e num complemento tão imenso que é a nossa alma. Esse e só esse o último como o primeiro.



Aqui fica =)


Beijos para todos, Vanessa Florindo, nº16, 11ºD.

Carla Moreira disse...

Aproveitando para dizer ue o texto está em "Os meus problemas" ;)

Encontrei num livro de lingua portuguesa e desde ai apaixonei-me pela forma realista e excepcionalmente bem escrita com q MEC vê o Mundo...

Carla*