24 de dezembro de 2008

livros para os mais novos

O meu último post deste ano, que mañana me voy .. :-) - e mais uma sugestão de livros, desta vez para crianças. O meu 'eleito' é António Torrado, um escritor português cujo sítio, na net, (ao que me contaram) chegou a ser objecto de investigação, tão incrivelmente elevados eram os números de acesso à página. Para enorme surpresa dos cibernéticos investigadores (calculo), tratava-se, afinal, de um sítio onde, todos os dias, se conta uma história! O link para a página, que se chama "HISTÓRIA DO DIA", está aqui.

Em baixo, não deixem de ver o vídeo!! só para vos abrir o apetite: «O que eu pretendo é que a escrita não seja muito escrita, muito penteada. Porque nós, quando falamos, falamos às vezes um tanto despenteadamente

António Torrado numa escola

« O vir às escolas, para mim, é tão estimulante como tomar vitaminas.»

António Torrado é por excelência um contador de histórias. Foi galardoado com o Prémio Calouste Gulbenkian de Livros para Crianças (1980), o Prémio de Teatro Infantil da Secretaria de Estado da Cultura (1984), o Grande Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura para Crianças (1988), entre muitos outros. Alguns dos seus livros foram incluídos na Lista de Honra do IBBY – Internacional Board on Books for Young People –, nos anos de 1974 e 1996. Segundo o crítico e investigador José António Gomes, “Torrado impôs-se como uma das figuras de maior relevo da nossa literatura do pós-25 de Abril e dificilmente se encontrará hoje um autor que, de forma tão equilibrada, saiba dosear em livro o humor, a crítica e os sinais de um profundo conhecimento do imaginário infantil.”

e no Portal da Literatura (clicar), uma extensa lista de livros deste autor.

Boas escolhas! Boas Férias! Boas Leituras!

al

the miracle

uma bela canção, que bem poderia ser de natal .. dos míticos Queen, e uma homenagem a esse fenomenal talento que deu pelo nome de Fred Mercury:


Queen - The Miracle (Freddie Mercury Tribute)

  • Every drop of rain that falls in Sahara Desert says it all / It's a miracle /
  • All God's creations great and small /
  • The Golden Gate and the Taj Mahal / That's a miracle /
  • Test tube babies being born /
  • Mothers, fathers dead and gone / It's a miracle /
  • We're having a miracle on earth / Mother nature does it all for us /
  • The wonders of this world go on /
  • The hanging Gardens of Babylon /
  • Captain Cook and Cain and Able /
  • Jimi Hendrix to the Tower of Babel / It's a miracle ... /
  • one thing we're all waiting for is peace on earth - an end to war / It's a miracle we need - the miracle / The miracle we're all waiting for today /
  • If every leaf on every tree could tell a story that would be a miracle /
  • If every child on every street had clothes to wear and food to eat / That's a miracle
  • If all God's people could be free to live in perfect harmony / It's a miracle
  • We're having a miracle on earth / Mother nature does it all for us /
  • Open hearts and surgery (wonders of this world go on) /
  • Sunday mornings with a cup of tea /
  • Super powers always fighting /
  • But Mona Lisa just keeps on smiling / It's a miracle
  • That time will come one day you'll see when we can all be friends (x4)

al

a tua música: Led Zepelin

A pedido do Aldo (10.ºB),

Led Zeppelin: Stairway to heaven

  • site oficial da banda, com mais música, aqui
  • e aqui, a letra de Stairway to Heaven

al

23 de dezembro de 2008

Mikhail Bulgakov: Margarita e o Mestre

Margarita e o Mestre (clicar para ver resenha crítica, resumo e informações sb o autor) foi-me recomendado por uma amiga. O autor, Mikhail Bulgakov (1891-1940) é um romancista e dramaturgo russo da primeira metade do século XX, e Margarita e o Mestre a sua obra mais emblemática. Há quem diga que o Realismo Mágico, cujo início é assinalado por Cem Anos de Solidão, esse livro maior de Gabriel García Márquez, terá sido antecipado (em cerca de 3 décadas) por esta obra prima de Bulgakov.
Pesquisando sobre o autor e este livro, fiquei com imensa vontade de lê-lo. Ora vejam se não vos apetece, também:

o autor: Bulgakov viveu sob o regime de Estaline (...) Em segredo e com o constante temor de ser descoberto, trabalha no manuscrito de Margarita e o Mestre (...) Existe, à época, o termo "bulgakovismo", encarado como um vírus burguês, decididamente pernicioso.

a estória: No centro histórico de Moscovo, no Parque do Lago do Patriarca, um poeta medíocre e um dirigente da MASSOLIT (sigla irónica, que significa literatura de massas, parodiando as associações de escritores do regime) discutem a não existência de Cristo. No banco ao lado, aparece o diabo, na figura de um mágico, Woland (...)
Travamos depois conhecimento com a versátil corte do diabo, de onde emerge a corrosiva sátira política e social que este romance também é, embora a história se centre no amor entre Margarita e o Mestre.

Margarita é uma dama casada e aparentemente bem estabelecida na sociedade, mas profundamente infeliz, até que conhece o Mestre, um escritor desconhecido por quem se apaixona perdidamente. Quando este mestre sem nome é levado (sem que ela saiba) para uma clínica psiquiátrica, depois de ter queimado um manuscrito, Margarita não se conforma (…)

Invertendo o mito de Fausto, Bulgakov põe a sua personagem a oferecer a alma ao diabo para reencontrar o amado e recuperar o manuscrito. Margarita transforma-se em bruxa ...

fontes:
Mil Folhas, artigo de Alexandra Lucas Coelho
(muito interessante)

blogue 'stranger in a strange land', de Safaa Dib: "descobri Mikhail Bulgakov graças a uma curiosa canção (*)dos Franz Ferdinand, em que Margarita voa pelos céus de Moscovo, em busca de vingança pelo seu amor. "

aqui, a música (*) : Love and Destroy .. e a letra, aqui

al

22 de dezembro de 2008

livros no natal: série Roma sub-rosa

Se tiverem mesmo de comprar prendas de natal (... sim, que tb há quem já tenha optado por dizer não à febre consumista que define esta época ... :-)) , oferecer livros será sempre uma boa opção. Os que aqui vos propomos vão, com certeza, agradar-vos:
O 'herói' é Gordiano, O Descobridor. A época vai (mais ou menos) de 100 a 50 anos a. C., na Roma antiga. O escritor, americano, chama-se Steven Saylor e é também historiador. A série: ROMA SUB-ROSA, um conjunto de romances empolgantes, que, por entre obscuros meandros de intriga, mistério, paixões, assassinatos, suspense, nos vão suavemente passando umas interessantíssimas lições de história.
O primeiro volume desta colecção chama-se Sangue Romano e está normalmente esgotado, mas cada romance é uma história independente, pelo que qualquer livro desta colecção será um bom princípio para conhecer Gordiano e as suas aventuras.

E depois, sabem como é, quando se espera ansiosamente a publicação de um novo livro? Pois assim é esta série. Absolutamente viciante! Vão aprendendo o nome do autor: Steven Saylor, again, e preparem-se para engrossar a já vasta lista de fãs. Não esqueçam: Roma sub-rosa, o nome que interessa fixar - ou, em alternativa, o de cada um dos 12 volumes (por ordem cronológica) :

  • Sangue Romano
  • A Casa das Vestais
  • Um Gladiador só morre uma vez
  • O Abraço de Némesis
  • O Enigma de Catilina
  • O Lance de Vénus
  • Crime na Via Ápia
  • Rubicão
  • Desaparecido em Massília
  • Névoa de Profecias
  • A Sentença de César
  • O Triunfo de César

al

21 de dezembro de 2008

outras músicas: The Doors


The Doors (clicar para ver site oficial) foi uma banda de rock americana dos fins da década de 1960 e princípio da década de 1970. O grupo era composto por Jim Morrison (vocal), Ray Manzarek (teclado), Robby Krieger (guitarra) e John Densmore (bateria).

The Doors - Waiting for the Sun

f.n.

20 de dezembro de 2008

Julio Cortázar (2) - Rayuela

Rayuela significa 'jogo da macaca' (em português do Brasil, 'jogo da amarelinha'). A editora Cavalo de Ferro, que publicou este livro de Julio Cortázar, deu-lhe o nome de 'O Jogo do Mundo' e publicitou-o assim:
A publicação de «O jogo do mundo» (Rayuela) em 1963 foi uma verdadeira revolução no romance mundial: pela primeira vez, um escritor levava até às últimas consequências a vontade de transgredir a ordem tradicional de uma história e a linguagem usada para a contar. O resultado é este livro único, cheio de humor, de risco e de uma originalidade sem precedentes.
Considerado o romance que melhor retrata as inquietudes e melhor resume o Século XX na visão latino-americana do mundo(...) , gerações de escritores são, de uma maneira ou de outra, devedoras de «O jogo do mundo»

noutro post fizémos referência às transgressões de Cortázar, presentes neste romance. Queremos deixar aqui, agora, um excerto que vos leve a entendê-lo, a querer-lhe para além (ou apesar) delas.. e, acreditem, seleccioná-lo, abdicar de uma imensa lista de excertos, ñ foi fácil.. aqui fica, então, a Poesia de Cortázar :

Toco a tua boca.
Com um dedo, toco a borda da tua boca, desenhando-a como se saísse da minha mão, como se a tua boca se entreabrisse pela primeira vez, e basta-me fechar os olhos para tudo desfazer e começar de novo, faço nascer outra vez a boca que desejo, a boca que a minha mão define e desenha na tua cara, uma boca escolhida entre todas as bocas, escolhida por mim com soberana liberdade para desenhá-la com a minha mão na tua cara e que, por um acaso que não procuro compreender, coincide exactamente com a tua boca, que sorri por baixo da que a minha mão te desenha.

início do capítulo 7, "O Jogo do Mundo", Julio Cortázar

al

Family Guy: um momento de humor

Family Guy é uma sitcom de animação americana. Ao que me disseram (*) passa na Fox .. deram-ma a conhecer pelo You Tube e achei .. do melhor. Aqui fica, então, um episódio. Divirtam-se.

Family Guy - Undecided Voters

(*) ñ se escandalizem, é que eu não vejo televisão..:-))

al

19 de dezembro de 2008

a literatura, as paixões: Julio Cortázar (1)

«Julio Cortázar, escritor e intelectual argentino (1914-1984) é considerado um dos autores mais inovadores e originais do seu tempo», lê-se na informação sobre o autor constante do livro recém-editado em Portugal, 'O Jogo do Mundo' (Rayuela), da cavalo de ferro.
Pois eu (que até leio umas coisas..) não conheço ninguém mais original, mais ousado, mais transgressor dos cânones académicos que enformam (espartilham?) a criação literária. Dir-se-ia, pelo que dele conheço e que se resume a um livro, Rayuela (e perdoar-me-ão a blasfémia ..) uma esquizofrenia intelectual, uma construção narrativa eivada de um lsdismo tão indissociável desses gloriosos anos 60 do século passado..

tenho de esclarecer que adorei conhecer este autor. que deste seu romance que são dois, li tudo, incluindo os 'capítulos dispensáveis'. que me deslumbrou, precisamente, isso a que chamo 'esquizofrenia'. que ñ parei de me surpreender com a ousadia deste homem, com as impensáveis transgressões, capítulo a capítulo. só mesmo alguém muito consciente da sua genialidade. alguém muito louco, e é um elogio. alguém com um sentido de humor único. alguém que ama tanto a literatura, que com ela se entretém em permanentes - quase eróticos - jogos recriativos. alguém a quem não importa um mínimo (a palavra ideal ñ seria esta, mas ñ vou ferir susceptibilidades..) a opinião dos outros (e é, novamente, um elogio). alguém no limiar da vida, e da morte, e de tudo.

aviso aos alunos no geral e às pessoas susceptíveis em particular:
NÃO LER as partes a azul-esverdeado deste post!

os outros ... podem dar uma olhadela aos:
exemplos de transgressões presentes no romance 'O Jogo do Mundo'
1.
«Julio Cortázar, escritor e intelectual argentino, é considerado
tenho de esclarecer que adorei conhecer este autor.
um dos autores mais inovadores e originais do seu tempo»
que deste seu romance que são dois, li tudo
2.
não parei de me surpreender com a housadia deste homem, com as himpensáveis transgressões
3.
tenho de esklarecer ke adorei konhecer este autor. ke deste seu romance ke são dois, li tudo
4.
as inhpençáveis trãsgreçõins, capitllo a capitlo. só mesmo alguenhe muito conssiente da sua xeniali dá-de


perplexos? qq dúvida, é só deixarem um comentário! :-)
no próximo capítulo, não percam: excertos (sem transgressões:-) de rayuela = jogo da macaca = jogo da amarelinha = o jogo do mundo

al

18 de dezembro de 2008

Concurso "dia@dia a aprender"

Ranking, após 48 questões

Tiago Pinto 9º F
Maria Almeida 7º A
Miguel Barreira 9º F
Daniela Mateus 7ºA
Miguel Pessanha 7º A
Diana Carvalho 7º E
Mariana Soares 8º D
Catarina Prudêncio 7º E
Diogo Leitão 7º D
João Carmo 8º B
Maria Beatriz 8º D
Sara Pereira 7º A
Inês Brás 8º D
Cláudia Custódio 10º C
Francisco Carvalho 7ºA
Carlos 8º E
Lucas 9º C
Diogo Fernandes 7º D
Rita Carvalho 7º A
Tiago Vidal 9º A


Podes consultar, quinzenalmente, neste espaço ou na Biblioteca
o TOP 10 deste Concurso.
Este ano há prémios por período, para o melhor aluno.
Participa!!
Esperamos por ti na BE

postado por: Fernando Nabais

17 de dezembro de 2008

nuvens

hoje, às 7.30 (a.m.) - c. caparica [st. antónio]

às 7. 40
al

13 de dezembro de 2008

a literatura, as paixões: Pérez-Reverte

Arturo Pérez - Reverte (clicar) , um dos mais mediáticos autores da actualidade, (também pela adaptação de livros seus ao cinema) , é um escritor brilhante, que, em cada livro, consegue a proeza rara de recrear um universo linguístico próprio, que adapta de forma magistral aos ambientes em que se movem os seus personagens. [Sei-o, porque foi com os seus romances que comecei a aprender espanhol, e só ao 3.º que li, La Tabla de Flandes, é que consegui identificar a linguagem dos meus amigos de Barcelona!!]

Uma das coisas que mais me fascina em Pérez Reverte (clicar para ler + informação em português), para além das elaborações filosóficas (absolutamente perturbantes, por exemplo, no romance 'O Pintor de Batalhas'), é o cuidado que põe na construção dos seus personagens, a quem logra dar vida com o carinho e a atenção de uma mãe, com a profundidade amniótica de um mar ... sublimes, as figuras femininas, muito na linha das de Saramago.

Para além disso, há sempre, nos seus livros, um elemento de suspense e de mistério, um pouco como nos romances policiais. As tramas são urdidas com uma inteligência tal, que Pérez-Reverte consegue, ao sugerir subtilmente o desenvolvimento da narrativa, envolver-nos da primeira à última página - como uma compulsão - enquanto nos faz cúmplices (quase co- autores) das suas histórias.

Livros seus que recomendo vivamente (clicar para ler sinopse):
O Pintor de Batalhas ("a sua criação mais melancólica, mais terna, mais íntima")

  • aqui, o seu site oficial
  • uma página muito interessante sobre Pérez Reverte, que inclui citações suas, p. ex, "El mar es el único refugio que me resta" : aqui
  • e ainda + uma página, no Dpt de línguas (clicar): sb Pérez-Reverte e outros autores de língua espanhola

al

12 de dezembro de 2008

hoje, a maior lua cheia do ano

Hoje é o dia do ano em que a Lua vai estar mais próxima da Terra, e por isso parecerá maior. Isto acontece porque a sua órbita em volta do nosso planeta não é um círculo perfeito. A distância média da lua em relação à terra é de 384,400 km, mas hoje ela estará a -apenas - 356,567 km. Segundo a NASA, 14% maior que o costume e 30% mais brilhante do que outras luas cheias do ano.
notícia do Yahoo, aqui

tirei-lhe uma fotografia antes de o céu se ter coberto de nuvens, para que a possam apreciar...e... porque não serei a única a olhar o céu, aqui fica, tb, a música dos Xutos. Enjoy!

al

Antony and The johnsons

um feitiço lunar atravessando esta madrugada. uma melodia, uma voz celestial: antony and the johnsons, uma banda nova-iorquina, ao vivo em Malmo, Suécia (2005):

Antony & The Johnsons - Cripple and the Starfish

letra aqui

e aqui, perdidamente..."Hope There's Someone"

al

11 de dezembro de 2008

poema-'anti'

A imagem ao lado é de Keith Haring (ver tb, aqui, o site q lhe é dedicado)
e - tel quel :-), aqui em baixo, da Vanessa (11.ºD), um gesto simpático, dos que nos põem um sorriso embevecido:

Cucu =) Vou enviar-lhe o ''poema'' feito na aula de inglês:

You're What You Buy

People are vicious, why?
They don't use everything they buy.
Advertisements tell us the perfect lie
Hiding that we are what we buy.

Caring about culture
Is a virtue of only a few
Destroying our nature
Affects both old and new.

After a brief study
Guess what I found ?
Money really makes the world go round!

Beijos, da Ana Mestrinho, do David Caramelo, do João Belo e da Vanessa =)

al

10 de dezembro de 2008

Adriana Calcanhoto

da cantautora brasileira Adriana Calcanhoto (clicar para ver site oficial) uma canção - um poema - de que gosto muito: 'uns versos':


UNS VERSOS, de Adriana Calcanhoto

outra, igualmente inspirada: ESQUADROS

e, por sugestão da Valerie, SEU PENSAMENO

aqui, cantando com Mísia (mas realmente, o fado .. não é para quem quer...)

al

declaração universal dos DIREITOS HUMANOS

Foi em 1948, num dia 10 de Dezembro, que a Assembleia Geral das Nações Unidas adoptou e proclamou a DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS (*)-(clicar para ver o texto na íntegra), uma magna carta para toda a humanidade:

Artigo 1.

TODOS OS SERES HUMANOS NASCEM LIVRES E IGUAIS EM DIGNIDADE E EM DIREITOS.

(*) um mês e vinte dias depois, Gandhi seria assassinado ...

e ... aqui, uma página dedicada a quem lutou / morreu pela defesa dos direitos humanos; a quem foi deles barbaramente espoliado; a quem continua a pugnar pela sua universalidade.


a.l. , que se orgulha de ter nascido a 10 de dezembro

7 de dezembro de 2008

a tua música: Dire Straits

Porque há um livro-paixão (H.S.) que fala deles. Porque os Dire Straits tinham ficado esquecidos na lista de pedidos. Porque me fartei de dançar ao som desta música e .. porque sim :-), aqui fica, do álbum "Alchemy" (1984) :

Dire Straits live - Sultans of Swing

e aqui, Dire Straits' lyrics (as letras)

a.l.

outras músicas: Gaiteiros de Lisboa

O Grupo (site oficial aqui ) formou-se em 1991, e tem feito o seu percurso em torno da música popular/tradicional, com participações em projectos musicais de outros grupos e autores consagrados no âmbito da Música Tradicional, do Rock, do Jazz, da Música Clássica e da Música Antiga, tais como José Afonso, Sérgio Godinho, Vitorino, Amélia Muge, Rui Veloso, Sétima Legião ou Adufe.

Gaiteiros de Lisboa: Lenga-lenga

e aqui, Portugal a Rufar, festival de percussão no Seixal - não percam!
a.l.

6 de dezembro de 2008

arte: Paula Rego

A pintura de Paula Rego não pode ser classificada como conservadora ou académica, mesmo se ela vem sendo um exercício de reaprendizagem dos meios de expressão pictural (...) O escândalo que as novas pinturas de Paula Rego propõem, devido às questões da sexualidade e da morte que abordam e, inseparavelmente, ao ponto de vista feminino que reclamam e revelam, não deverá ocultar o outro escândalo, talvez mais decisivo ainda, que reside na diferença entre estas obras e a insignificância ou o tédio reinantes em grande parte do que é exibido como arte contemporânea. «O naturalismo está muito fora de moda, mas eu não me importo», declara Paula Rego. «A moda passará. Estas revolucionárias 'pinturas silenciosas, com as suas réplicas sombrias', sobreviverão», comenta Maggie Gee num artigo do «Daily Telegraph». Paula Rego encontrou no meio britânico, menos dependente das concepções vanguardistas da modernidade e também da circulação das modas, as condições favoráveis para aprofundar um trabalho com raízes portugueses, que mergulham nas suas memórias pessoais, decorrem dos incidentes da sua vida e interpelam as prisões mais fundas da nossa existência colectiva. É provável que a vitalidade desafiadora das suas últimas obras resulte dessa dupla localização.
Textos de ALEXANDRE POMAR

Para além de óleo sobre tela, Paula Rego trabalha com vários outros registos gráficos, nomeadamente desenho, litografias e serigrafias.
Em cima, o tríptico Shakespeare’s Room (serigrafia), que conta a história de uma rapariga que disparou contra macacos por eles não 'comprovarem' o ditado: "if you put enough monkeys typing, eventually you'll get Shakespeare!"

Ao lado, uma das litografias que ilustram um conto de João de Melo, "O Vinho" .

Em baixo, uma lista de sites, uns mais imprescindíveis (*) que outros, onde podem ver-se mais obras de Paula Rego, talvez a pintora portuguesa da actualidade mais conhecida além fronteiras:
visita virtual- museu Reina Sofía, Madrid ; Saatchi Gallery ; Art Fund for UK museums ; Feio e Modernidade em Portugal ; tales from the National Gallery

a.l.

4 de dezembro de 2008

outras músicas: Hermeto Pascoal

Hermeto Pascoal - conhecem?

Vi um espectáculo seu na Culturgest, há 2 anos, e fiquei fascinada! Com a energia, a reinvenção permanente, sobretudo o dom - muito raro - não só de cativar uma plateia inteira (sorrisos de orelha a orelha, o tempo todo, muita gente jovem), como de nos levar a participar, a todos, no seu espectáculo: um delírio de bocas, mãos, pés produzindo sonoridades impensáveis, corpos num desassossego, pedindo mais.
A sua música, conotada com o jazz, é sobretudo experimental, com a filosofia subjacente de que se podem criar sons harmónicos com absolutamente (quase) tudo. 70 anos (na altura), e uma vitalidade de adolescente.

Podem ouvi-lo e vê-lo (a ele e ao seu grupo) em actuações ao vivo entrando aqui: é o 4º da coluna da esquerda. Se clicarem no nome, vão parar à sua página oficial: passem o cursor (a mãozinha) pela lista de conteúdos, vão ver que é original ... Há vídeos do You Tube clicando na foto e e em quase todas as palavras sublinhadas (uma delícia, o 'concerto da lagoa', na palavra música! )

pois .. eu sei que era muito mais prático pôr um vídeo aqui :-), mas assim ficam a conhecer uma página cheia de boa música, dedicada a cant(aut)ores lusófonos - digam lá que não é boa ideia?! :-))

a.l.

3 de dezembro de 2008

obrigada ao Zeca

Pelo dia, pelas circunstâncias, pela vida, pela memória, pela saudade, pelos ideais, pela verdade, pela esperança, pelas utopias, pela liberdade:


'a morte saiu à rua', a canção; o pintor, assassinado pela PIDE em 19 de Dezembro de 1961, é José Dias Coelho, pai de Teresa Dias Coelho, a autora de "pain 6", no post Pablo Neruda, "estar vivo".

Em baixo, uma linogravura de José Dias Coelho: a morte de Catarina Eufémia (clicar para ouvir: a canção do Zeca que mais me emociona)

a.l.

Camões: mudam-se os tempos

Num dia em que os Professores portugueses estão em greve, lutando

pela sua dignidade,

pelo direito a ensinarem,

pela sobrevivência da Escola Pública,


Zé Mário Branco e um poema de Luís de Camões:

MUDAM-SE OS TEMPOS




aqui
, uma canção paradigmática : a galopar, de Paco Ibañez

a.l.

Pablo Neruda: 'Estar vivo'

Estar vivo!

Morre lentamente quem não viaja,
quem não lê, quem não ouve música,
quem destrói o seu amor-próprio,
quem não se deixa ajudar.


Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito, repetindo todos os dias o mesmo trajecto, quem não muda as marcas no supermercado, não arrisca vestir uma cor nova, não conversa com quem não conhece.

Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o "preto no branco" e os "pontos nos is" a um turbilhão de emoções indomáveis, justamente as que resgatam brilho nos olhos, sorrisos e soluços, coração aos tropeços, sentimentos.


Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz no trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto atrás de um sonho, quem não se permite, uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos.


Morre lentamente quem passa os dias queixando-se da má sorte ou da chuva incessante, desistindo de um projecto antes de iniciá-lo, não perguntando sobre um assunto que desconhece e não respondendo quando lhe indagam o que sabe.


Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior do que o simples acto de respirar.
Estejamos vivos, então!

Pablo Neruda

e.. à propos .. uma citação do Mário Cesariny:
nem sempre os que desistem ou morrem são quem vai mais morto


a imagem é um óleo sobre tela da pintora portuguesa
Teresa Dias Coelho


a.l.

2 de dezembro de 2008

outras músicas: Nina Hagen

Esta é mesmo uma provocação (acho q traduz tb um estado de espírito..) . Mas lá que a sra. tem estilo, isso.. não podem negar!
Então, e só para ossos duros de roer (mais vale ser um cão raivoso.. verdad?) :

Nina Hagen - Naturträne

Há mais NH aqui, e a UTE LEMPER também! (as 2 ao fundo da página)
a.l.

na Y-blogosfera

Chama-se BANANAPHONE (clicar no nome para entrar)

É um blogue fixe, feito por gente fixe: TM, DC e BT.


Escrevem com a inspiração e o desassombro que a sua juventude inspira.
  • fazem concursos
  • atribuem prémios
  • falam dos mais variados assuntos: corriqueiros uns, transcendentes outros, temas quase sempre in-du-bi-ta-vel-men-te sérios (ou nem tanto:-).
  • Tudo muito eivado de filosofia, muito sem tabus de qualquer espécie, e com muito, muito humor, quase sempre corrosivo!:-))


A não perder, como vêem. Em baixo, o link para o último post:


AL

1 de dezembro de 2008

¿ y por que es hoy un día festivo? :-)

... pues, precisamente, porque, si no lo fuera, seguiríamos hablando castellano ...

- quase tudo o que precisam de saber sobre o 1 de Dezembro pulsar, cariños! :-))
- e .. a opinião de um iberista, aqui

besitos, .. e .. bom feriado!
a.l.

Pessoa: Minha pátria é a língua portuguesa

- de tirar o fôlego, por tão bem escrito, um texto de Bernardo Soares, semi-heterónimo de Fernando Pessoa: "Bernardo Soares sou eu menos o raciocínio e afectividade"

Gosto de dizer. Direi melhor: gosto de palavrar. As palavras são para mim corpos tocáveis, sereias visíveis, sensualidades incorporadas. Talvez porque a sensualidade real não tem para mim interesse de nenhuma espécie - nem sequer mental ou de sonho -, transmudou-se-me o desejo para aquilo que em mim cria ritmos verbais, ou os escuta de outros. Estremeço se dizem bem. Tal página de Fialho, tal página de Chateaubriand, fazem formigar toda a minha vida em todas as veias, fazem-me raivar tremulamente quieto de um prazer inatingível que estou tendo. Tal página, até, de Vieira, na sua fria perfeição de engenharia sintáctica, me faz tremer como um ramo ao vento, num delírio passivo de coisa movida.
Como todos os grandes apaixonados, gosto da delícia da perda de mim, em que o gozo da entrega se sofre inteiramente. E, assim, muitas vezes, escrevo sem querer pensar, num devaneio externo, deixando que as palavras me façam festas, criança menina ao colo delas. São frases sem sentido, decorrendo mórbidas, numa fluidez de água sentida, esquecer-se de ribeiro em que as ondas se misturam e indefinem, tornando-se sempre outras, sucedendo a si mesmas. Assim as ideias, as imagens, trémulas de expressão, passam por mim em cortejos sonoros de sedas esbatidas, onde um luar de ideia bruxuleia, malhado e confuso.
Não choro por nada que a vida traga ou leve. Há porém páginas de prosa que me têm feito chorar. Lembro-me, como do que estou vendo, da noite em que, ainda criança, li pela primeira vez numa selecta o passo célebre de Vieira sobre o rei Salomão. «Fabricou Salomão um palácio...» E fui lendo, até ao fim, trémulo, confuso: depois rompi em lágrimas, felizes, como nenhuma felicidade real me fará chorar, como nenhuma tristeza da vida me fará imitar. Aquele movimento hierático da nossa clara língua majestosa, aquele exprimir das ideias nas palavras inevitáveis, correr de água porque há declive, aquele assombro vocálico em que os sons são cores ideais - tudo isso me toldou de instinto como uma grande emoção política. E, disse, chorei: hoje, relembrando, ainda choro. Não é - não - a saudade da infância de que não tenho saudades: é a saudade da emoção daquele momento, a mágoa de não poder já ler pela primeira vez aquela grande certeza sinfónica.
Não tenho sentimento nenhum político ou social. Tenho, porém, num sentido, um alto sentimento patriótico. Minha pátria é a língua portuguesa. Nada me pesaria que invadissem ou tomassem Portugal, desde que não me incomodassem pessoalmente. Mas odeio, com ódio verdadeiro, com o único ódio que sinto, não quem escreve mal português, não quem não sabe sintaxe, não quem escreve em ortografia simplificada, mas a página mal escrita, como pessoa própria, a sintaxe errada, como gente em que se bata, a ortografia sem ípsilon, como o escarro directo que me enoja independentemente de quem o cuspisse.

a.l.

welcoming December..

Ainda parece domingo, embora o relógio mostre já os primeiros 20 minutos do dia 1 de Dezembro ...
.. e foi nesta passagem da noite que me chegou, da Bélgica (ler comentário no post dos 'Radiohead'), uma pérola em triplo: a música de PJ Harvey, a voz de Thom Yorke e a arte de Trent Parke (clicar no nome para ver imagens lindíssimas deste fotógrafo australiano) .
Dele, a imagem acima, e também uma citação: "I am forever chasing light. Light turns the ordinary into the magical."

Então aqui fica, para todos os românticos incuráveis:

This Mess We're in
- with Trent Parke

letra aqui .. e .. aqui , informação sobre Trent Parke

a.l.

30 de novembro de 2008

música ao domingo II - John Mayer e Eric Clapton

John Mayer e Eric Clapton juntos e ao vivo.
Grande música no fim de um Domingo cinzento e frio.

John Mayer e Eric Clapton - Crossroads



(Num programa da ABC News)
f.n.

música ao domingo: Radiohead

A pedido do 'stor' :-) Carlos Milho, uma música de excepção com um vídeo absolutamente delicioso (faço minhas as tuas palavras..) :

Street spirit [Fade Out] , dos Radiohead

site oficial dos Radiohead: aqui

a.l.

28 de novembro de 2008

rock alternativo: PJ Harvey

De Polly Jean (PJ) Harvey, uma cantora e compositora britânica, e um ícone do rock alternativo das décadas de 80 e 90: Rid of Me

PJ Harvey playing solo live at Bridgewater Hall, Manchester 07/07/07

ouvir aqui : The Mountain, do seu novo álbum, "White Chalk"

com Nick Cave: ' Henry Lee ' - breathtaking! (letra aqui)

a.l.

literatura: venenos de deus, remédios do diabo

  • Aos 10 anos todos nos dizem que somos espertos, mas que nos faltam ideias próprias.
  • Aos 20 anos dizem que somos muito espertos, mas que não venhamos com ideias.
  • Aos 30 anos pensamos que ninguém mais tem ideias.
  • Aos 40 achamos que as ideias dos outros são todas nossas.
  • Aos 50 pensamos com suficiente sabedoria para já não ter ideias.
  • Aos 6o ainda temos ideias, mas esquecemos do que estávamos a pensar.
  • Aos 70, só pensar já nos faz dormir.
  • Aos 80 só pensamos quando dormimos.
fala de Bartolomeu Sozinho, mais filósofo que marinheiro, personagem de Venenos de Deus, Remédios do Diabo, o último romance do escritor moçambicano Mia Couto. (clicar no nome para ler entrevista no JL)
a.l.

26 de novembro de 2008

a tua música: Enya

A pedido do Fred, do 10.ºB:

Enya - May It Be

a.l.

a literatura, as paixões: Carlos Ruiz Zafón

«Da próxima vez que quiseres salvar
um livro, não precisas de arriscar a vida ..!
Vou levar-te a um lugar secreto,
onde os livros nunca morrem,
e onde ninguém pode destruí-los! »

Este, o lugar mágico de A Sombra do Vento, o livro que tornou famoso o seu autor, Carlos Ruiz Zafón, também compositor... Um lugar que podes agora revisitar em O Jogo do Anjo, um romance em que Zafón te transporta, de novo, à Barcelona do Cemitério dos Livros Esquecidos. Um labirinto de segredos onde a intriga, o mistério, o feitiço dos livros e a paixão se conjugam num relato empolgante.
Encontra-lo na Feira do Livro, até 6ª...

mas antes, o que te deixamos, AQUI , é um convite: entra, olha por um instante o azul...há um dragão...fixa-te na espiral da cauda ... deixa-te hipnotizar ... agora fecha os olhos ... ouve o piano ...

a. l.

23 de novembro de 2008

Feira do Livro

Decorre entre os dias 24 e 28 de Novembro a Feira do Livro na ESAG (Átrio superior do Pav. H).
Muitas Novidades a preços tentadores.

Aguardamos a vossa visita.

A Feira decorre entre as 9h e as 15h30min, de 2ª a 5ª( infelizmente a falta de auxiliares impede-nos de vos proporcionar um horário mais alargado) .
Sexta feira estaremos abertos à comunidade até às 20h.

Postado por: Rosário Lopes

22 de novembro de 2008

a nossa música: DeVotchka

Não sei se já conheciam, mas a música é óptima, diferente... faz lembrar os filmes do Kusturica. Os DeVotchka (um quarteto vocal e instrumental de Denver, Colorado) misturam estilos de música romena, grega, eslava, húngara, etc, etc, com raízes de punk e folk americano. Têm um site oficial (em baixo, a não perder!) e estão no myspace, no facebook, no flickr.

Espero que gostem!

DeVotchka - How it ends

aqui, o site oficial, com mais músicas dos DeVotchka

a.l.

21 de novembro de 2008

livros novos na BIB

Para começar, uma citação de Saramago sobre géneros literários (a renovação de conceitos): «... em minha opinião, o romance deixou de ser um género para se transformar num espaço literário aonde tudo pode e deve confluir. Até a filosofia. » A citação é retirada de uma entrevista (clicar aqui) que Saramago deu a jornais brasileiros e em que fala do seu novo romance]

Agora a imagem: é um quadro de Pablo Picasso, chama-se "La Lectura", e gosto tanto dela q a ponho aqui sp q posso ... :-)

Relativamente ao título deste post, as novidades: a biblioteca da ESAG adquiriu vários novos livros para requisição domiciliária, nomeadamente:

Já sabem, durante 15 dias (prorrogáveis) podem ter qualquer * destas obras em casa: páginas e páginas de puro deleite!

* a do Julio Cortázar requisitei-a eu, terão de esperar... :-)

Boas leituras, então!

postado por ana lima

19 de novembro de 2008

a Ibéria e Pérez-Reverte

Lisboa, 19 Nov (Lusa) - O escritor espanhol Arturo Pérez-Reverte defendeu a existência de uma Ibéria, um país único, sem fronteiras que separem Espanha e Portugal, porque é "um absurdo" que os dois países vivam "tão desconhecidos um do outro". [como já sabem .. verdad? .. anda alguém tratando de inverter esta situação...]

"Há uma Ibéria indiscutível que está entre os Pirinéus e o estreito de Gibraltar, com comida, raça, costumes, história em comum e as fronteiras são completamente artificiais", disse o escritor à agência Lusa, de passagem por Portugal a propósito do lançamento do se último romance, "Um dia de cólera".

Para Pérez-Reverte, o maior erro histórico de Filipe II, no século XVI, foi não ter escolhido Lisboa como capital do império: "Teria sido mais justo haver uma Ibéria, e a história do mundo teria sido diferente".

O escritor disse que essa Ibéria não existe hoje administrativamente, mas "qualquer espanhol que venha a Portugal sente-se em casa e qualquer português que vá a Espanha sente o mesmo".
"Houve dificuldades históricas que nos separaram, mas a Ibéria existe. Náo é um mito de Saramago, nem dos historiadores romanos. É uma realidade incontestável" que precisa de um empurrão social e não político para concretizar o projecto, disse.

Arturo Pérez-Reverte, 57 anos, é um dos escritores mais populares das letras espanholas da actualidade, com obra traduzida em quase trinta idiomas. Antigo repórter de guerra, dedica-se em exclusivo à escrita desde finais dos anos 1980.


postado por ana lima

a tua música: Carlos Paião

A pedido do Tiago Martins, o comentador mais fiel deste blogue, aqui fica:

"Pó de Arroz", de Carlos Paião

a. l.

17 de novembro de 2008

'chocolate' em Madrid

Hoje, 17 de Novembro, terá lugar em Madrid, ainda e sempre no âmbito da VI Mostra, o concerto de Maria João e Mário Laginha, na Sala das Colunas do Círculo de Belas Artes.

A dupla portuguesa regressa assim ao contacto com o público espanhol, ao fim de um interregno de cerca de dois anos.

O espectáculo de hoje contará já com o repertório do seu novo trabalho: Chocolate, editado este mês em Portugal.

«O que nos une é o amor puro, pela música e um pelo outro, por isso escolhemos o nome Chocolate", explicou Maria João. Para a cantora, que “adora chocolate”, “a música é muito saborosa, é como se os sons fossem bocadinhos de chocolate».


Não é ainda o sabor de 'Chocolate', mas a degustação de uns momentos delirantes na Aula Magna de Lisboa, ao vivo:

Maria João e Mário Laginha - Tralha


postado por ana lima